Giro Marília -Mostra Ecofalante de cinema ambiental termina nesta quarta em SP

Termina nesta quarta-feira em São Paulo a 7ª edição da Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental, o mais importante evento audiovisual sul-americano dedicado a temas socioambientais, termina nesta quarta-feira (13) em São Paulo com sucesso de público e crítica.

Os dois últimos dias de evento (12 e 13 de junho) envolvem dezenas de exibições gratuitas em diferentes bairros da capital paulista. Durante o evento, 121 filmes, representando 31 diferentes países, serão exibidos.

A programação inclui ainda uma competição de produções socioambientais de escolas e cursos audiovisuais, sessões infantis, o Programa Ecofalante Universidades e a Mostra Escola, ambos voltados à exibição e à discussão em espaços educacionais, o Seminário de Cinema e Educação e dois workshops: “A Prática do Cinema Documental”, com Jorge Bodanzky, e “O Audiovisual na Sala de Aula: A Arte a Favor do Meio Ambiente”.

O evento ocupa 82 salas de cinema e espaços culturais e educacionais de São Paulo, como Reserva Cultural, Centro Cultural Banco do Brasil, Espaço Itaú Augusta e o Circuito Spcine, entre outros.

É uma realização da ONG Ecofalante, do Ministério da Cultura do Governo Federal, e da Secretaria da Cultura do Governo do Estado de São Paulo. Uma correalização da Spcine, da Secretaria de Cultura da Prefeitura de São Paulo e do Goethe-Institut, tem patrocínio da Sabesp, Tigre e Kimberly-Clark, com apoio da White Martins,  Reciclo Pepsico e Instituto Clima e Sociedade, é viabilizado através da  Lei de Incentivo à Cultura  e do Programa de Apoio à Cultura (ProAC).

A retrospectiva dedicada a Werner Herzog levou para a mostra algumas de suas mais impactantes obras, onde o conflito entre a natureza e o homem estão fortemente evidenciados. Marcam presença desde seus primeiros títulos, como “Hércules” (de 1962) e “Fata Morgana” (de 1971), até os mais recentes, “O Homem-Urso”, “Encontros no Fim do Mundo” e “A Caverna dos Sonhos Esquecidos”.

Na Competição Latino-Americana 28 trabalhos da região concorrem a premiações de R$ 15 mil e R$ 5 mil. Estão incluídos os brasileiros “Dedo na Ferida”, de Silvio Tendler, sobre o fim do estado de bem-estar social; “Baronesa”, de Juliana Antunes, premiado nos festivais de Havana, Marselha, Valdívia, Mar del Plata, Mostra de Tiradentes e Mostra Internacional em São Paulo; e “Sertão Velho Cerrado”, de André D’Elia, exibido em première mundial. Participam também trabalhos da Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Honduras, México e Peru.

Responsável pela Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental, a organização não -  governamental sem fins lucrativos Ecofalante tem como objetivo criar e trabalhar em projetos que contribuam para o desenvolvimento sustentável do planeta por meio da educação e da cultura. A entidade promove ainda projetos como o Programa Ecofalante Universidades e exibições com debates e atividades de formação em unidades Etec - Escolas Técnicas Estaduais, Centros Educacionais Unificado (CEU), e Fábricas de Cultura, entre outras instituições culturais.

Acesse a página oficial da mostra para conferir a programação desta terça e quarta-feira


Últimas Notícias