Colunista | Viviane Gonçalves

Giro Marília -Como esquecer um amor.

Parece nome de filme hollywoodiano ou que faltou a interrogação. Não, não estou pedindo orientação para esquecer um amor, embora necessite, confesso.

Nem darei “enes” dicas de como esquecer alguém, não ando tão pretensiosa.

Na realidade, construiremos essa narrativa juntos, é mais um diálogo na busca de acalmar o coração já que um chá de camomila, nesses casos, é totalmente desprovido de sentido.

A verdade é que não tem um conselho, uma dica, vamos ao clichê de sempre, o tempo resolve todas as coisas.

Exige tempo, amiga! Chora aí tudo que tem que chorar, olha as fotos sim, ouve aquelas músicas que lembra ele, aquele momento de vocês, recorda do sorriso dele, do beijo, cheiro.

Não, não pule etapas, talvez você seja mulher demais para aquele caminhão que está aos pedaços ou que solta fumaça por onde passa, mas quem aí já escolheu um amor?

Ensina para os demais mortais como programar o coração a olhar alguém e bater num compasso diferente.

Mas independente da beleza da criatura, do jeito que ele se vestia, dos maus hábitos e, apesar de tudo isso, você ama aquela praga, não é não?

Sabe por quê? Porque no início talvez a beleza seja um critério importante, para encontros casuais e beijos jogados num final de semana qualquer, mas para amar é tão desnecessária quanto uma etiqueta de roupa.

Você ama alguém porque aquela pessoa é quem é, pelas diversas qualidades e defeitos que tornam alguém tão único na vida de outra pessoa.

Posso gastar toda saliva te orientar a fazer diversas coisas, sair, conversar, beijar outras bocas, viajar. O amor não sairá fugindo por aí porque você está se distraindo.

Pode ir a festas, talvez quatro, cinco horas, consiga se distrair, quando entrar no carro, na sua casa, recordará como era quando ele estava contigo.

Dos finais de noite que compartilharam e dos sorrisos que davam juntos comentando o after de cada lugar que iam.

Para passar a dor é necessário sentir, chorar mesmo, é luto, colega. Você perdeu algo que era importante para você, alguém deixou a sua vida e não foi qualquer pessoa, foi o cara que dividiu choros, sorrisos, os melhores sorrisos, cama, beijos, cheiros, sonhos, perspectivas.

Aquele cara que você passava a semana ansiosa para  encontrá-lo, dividiam confidências, entregou-se em muitos sentidos.

Nossa, Viviane, mas a intenção é me fazer esquecer ou sofrer mais? A intenção é lembrar que logo, não posso te garantir quanto tempo, irá sentir menos, vai olhar menos as fotos de vocês, o whats para ver se ele está on line, deixará de imaginar com quem ele está batendo papo.

Vai deixar de se questionar onde errou ou o porquê dele ter agido como agiu.

O tempo está passando amiga, vai chegar o momento de dizer adeus totalmente, mas não considere que seja tão rápido.

Não jogue pessoas no meio de uma relação que não terminou ainda, é falta de respeito contigo e com outra pessoa, não tente provar para ele que você superou, não superou e não está numa competição.

É você, com você!

Se ele seguiu a vida dele, o que considero impossível se for um cara de bom senso, é um problema, problema mesmo, dele.

Amores não são jogados debaixo do tapete, e o amor traz algo que leva tempo, intimidade.

O conselho dessa moça aqui do outro lado da tela é aprenda com essa dor, ela vai te ensinar, terá dias mais difíceis e outros mais tranquilos.

Haverá madrugadas insones, músicas e cheiros dolorosos, alguns deles vão estragar seus passeios quando do nada começar a tocar a “música de vocês” ou aquele cheiro que só ele tinha, mas passa.

Quanto a ele, deixa seguir a vida, não importa se ele te ama, ou não, se pensa em você, se está olhando seu whats, se dói lá como cá.

Aceita que terminou, a dor, porque ela ensina, sofra, porque sofrimento dói, mas passa.

O conselho dessa jovem senhora do lado de cá é, deixa o tempo trazer o remedinho dele, a cura vem, essa dor passa, quanto a esse cara, ele sempre será alguém que você amou e que fará parte da sua história, mas um dia o cheiro dele, só vai ser mais um mesclado a outros amores de outrora.

Lembrará e não doerá mais, um dia usará ele como exemplo para ajudar alguém a se curar da perda de um amor, assim como essa pessoa do lado de cá acabou de fazer.

Um dia...


Giro Marília -Viviane Gonçalves
Viviane Gonçalves
Cientista social formada pela Unesp- Marília, uma curiosa nos estudos que se referem às mulheres, adora literatura, poesias e filmes. Acredita que Adélia Prado tinha razão, mulher é mesmo desdobrável.

Matérias anteriores deste(a) colunista >