Colunista | Viviane Gonçalves

Giro Marília -Troféu: um homem

Semana passada vi em um post dentro de um grupo privado do facebook, do qual fazia parte, o comentário de uma moça  que dizia o seguinte: mulheres casadas, não deixem suas amigas frequentarem suas casa ou fale de suas vidas ou de seus maridos para elas.

Sim, isso é real, não exagero, não minto sobre o que ali estava escrito, de fato uma mulher escreveu isso e mais assustador ainda foi ler comentários em consonância com o que ali estava escrito.

Hoje, um amigo me enviou uma foto de um cartaz onde uma mulher dizia para as mães, de uma dada escola, tomarem cuidado ao levarem suas crianças  e evitar entregá-las a  determinada professora porque, segundo a mesma, ela estava “ dando em cima” do marido dela e  isso poderia ocorrer com outras mulheres e terminava dizendo que,  se ela não parasse,  iria surrá-la, acabou a mensagem chamando, a professora de sua cria, de vadia.

Não, vocês não estão lendo nada fictício, queria ter o dom de inventar tamanha barbaridade, essa é a vida real ou como diria o Queen  this is real life.

E é!

Essa criatura que vos escreve ficou estupefata e o questionamento que me veio, como é que as mulheres têm enxergado os homens?

Falamos diuturnamente em estupro, cultura do estupro e creio que as mulheres defendam a ideia de que homens são racionais e que não há justificativa plausível para um estupro.

No entanto, é tão contraditório que ao mesmo tempo considerem seus maridinhos criaturas indefesas que serão atacados por uma mulher e que eles, coitadinhos, cairão como patos.

Fico sem saber o que dizer quando leio algo tão assustador. Qual é o tipo de relação que estamos nos permitindo viver? Onde nos tornamos constantemente as protetoras de seres tão indefesos e irracionais?

Por que tratamos os homens com os quais nos relacionamos como inimputáveis?

Sei que as relações que vivenciamos são extremamente adoecidas, baseadas em mentiras, engodos e que contribuem de forma grandiosa para a insegurança da maioria das mulheres.

Mas daí  pergunto, não é melhor se relacionar com um homem que confie, que te respeite e que seja adulto?

Porque um cara que precisa viver cerceado senão trairá a confiança de sua parceira, não deveria nem está se relacionando.

Quando foi que tiramos a responsabilidade das mãos masculinas e passamos tratar homens como crianças que precisam de cuidado e atenção constante?

Falarei algo que talvez não goste de ouvir, mas se teu companheiro te trai, engana, mente, ele está escolhendo isso.

Tendemos buscar outros culpados e, de fato, sempre há os influenciadores e facilitadores, mas ainda assim, são eles que escolhem os amigos, as companhias e, inclusive as mulheres que saem.

Virá aquela filha de Deus me dizer, ah, mas a amiga também tem que respeitar.

Queridããã, ambos precisam te respeitar, e se teu companheiro e tua amiga são canalhas com você, é necessário pensar que tipo de relacionamento tem buscado para sua vida.

Outro fator importante, viverá com medo de levar um chifre, de ser enganada, manipulada? Vai abrir mão de ter amigas, alguém para dividir seus problemas porque seu boy, pode se interessar por ela?

Esse “seu” homem pode se interessar por qualquer mulher, assim como você por qualquer homem. O mundo está lotadinho de pessoas interessantes, sempre haverá infinitas possibilidades fora do contexto você e ele.

Acredito ainda, partindo de uma premissa totalmente subjetiva, que as pessoas não estão preparadas para viverem relações saudáveis.

É como se dormissem com o inimigo, escondem coisas ínfimas, vivem de mentiras tolas, fazem escolhas baseadas na adolescência e não conseguem viver aquele relacionamento monótono e gostoso descrito por Cazuza, com um sabor bem conhecido, de quem já comeu o mesmo fruto diversas vezes.

Não há receitas prontas para nada, existem mais questionamentos e dúvidas que certezas, mas, mulheres, parem de achar que seus companheiros são seus filhos de 4/5 anos que não conseguem fazer escolhas.

Eles conseguem!

Se teu maridinho resolver ficar com a professora, ele vai ficar, até onde sei, em relações adultas havendo o consentimento, as pessoas não ficam obrigadas umas com as outras, principalmente homens.

Você realmente está achando que ele te traiu porque a mulher infernizou o juízo dele? Ou porque ela ficou se jogando para ele? Pior, porque ela é uma mulher com condutas libertárias.

Ele te traiu porque ele quis.

Ele mentiu porque tinha receio que você descobrisse algo e brigassem ou terminassem? Não, ele mentiu porque ele quis, gente adulta faz e assume a bronca mesmo sendo ruim assumir, ele mentiu porque é mau caráter e porque é isso que sabe fazer.

Homens não são coitadinhos, fazem escolhas o tempo todo, assim como nós fazemos.

Seguindo a lista de perguntas, porque ando muito questionadora.

Você já teve oportunidade de ficar com outras pessoas?  Com certeza teve e o que você fez? Escolheu entre ficar ou não, não foi? Exatamente.

E mentiras, quantas contou e quantas deixou de contar? E a escolha disso foi de quem? Sua!

Percebe agora que está se auto enganando quando tira da responsabilidade do seu companheiro o zelo e carinho pela relação de vocês?

Sendo uma sobrevivente de relações fracassadas e assim posso chamá-las porque houve o empenho do lado de cá com a honestidade, entrega e companheirismo, na contrapartida de homínculos que não sabiam nem bem o que queriam de uma relação.

Digo com propriedade, quem quer ficar com você, ficará, quem te ama, te respeitará, quem valoriza essa relação fará o possível para alimentá-la.

Agora, vamos parar de disputar seres que nem mereciam está conosco, se a outra pessoa quiser levar para ela, deixa ir embora, porque como diz o sábio pensamento popular, tem coisa que a gente não perde, se livra.

E de macho besta, todas nós estamos mais do que cansadas, já vai tarde.


Giro Marília -Viviane Gonçalves
Viviane Gonçalves
Cientista social formada pela Unesp- Marília, uma curiosa nos estudos que se referem às mulheres, adora literatura, poesias e filmes. Acredita que Adélia Prado tinha razão, mulher é mesmo desdobrável.

Matérias anteriores deste(a) colunista >