Colunista | LIMPO E TRANSPARENTE - Paulo Henrique Martinez

Giro Marília -TEM RECADO DA ESCOLA

A ocupação de escolas secundárias em diferentes estados do Brasil alastrou-se rapidamente, como em horário de merenda. No Paraná já são quase 300 as escolas ocupadas pelos estudantes. Estes recebem o apoio entusiástico de pais, professores, funcionários, amigos e parentes. As “reformas necessárias” (mas para quem?) galopam contra a história. Afrontam também as artes, educação física e humanidades.

As ocupações faturam rapidamente a simpatia dos universitários, professores e alunos, profissionais, pedagogos e movimentos sociais combativos. Na Igreja católica despontaram vozes de solidariedade. Aguerridos e corajosos, os adolescentes enfrentam uma situação de risco diante de governantes tecnocráticos, sem uma gota de sensibilidade social ou de responsabilidade para com os rumos do Brasil. Os governos estão tratando a educação como caso de polícia.

O que querem os jovens estudantes, secundaristas ou não? Eles nos dizem, clara e abertamente: o direito ao futuro. A ocupação das escolas deveria despertar também a consciência dos adultos, sejam eles jovens ou as gerações experimentadas na vida escolar e fora dela. Em nome de quais valores a formação ética, cultural e profissional das próximas gerações está sendo sacrificada? E não apenas aquelas que estão para nascer, mas destas que, hoje, se encontram dentro das escolas?

Os estudantes querem ser ouvidos. Eles enfrentam sem temor o risco de perderem seus olhos, alvos seletos das certeiras balas de borracha da Polícia Militar e que os governantes insanos teimam em disparar contra a população. Fingindo-se cegas, mas inconsequentes em suas ações, as autoridades federais e estaduais insistem em não enxergar a realidade educacional brasileira. Terão que escutar os estudantes e professores. É o futuro quem lhes fala.

O governo federal, vaticinou Dilma Rousseff às portas do impeachment, foi ocupado por um esquadrão de homens velhos e brancos. Retrato do passado, tais governantes estão em contradição com um País de jovens, mulheres, negros e mestiços de todas as cores. Michel Temer & Cia devem ser reprovados pois não passaram em nenhum exame de consciência! O que esperar dos atuais governantes? Alguém acredita neles? Recado da escola: os jovens estudantes não. É o futuro quem diz.


Giro Marília -LIMPO E TRANSPARENTE - Paulo Henrique Martinez
LIMPO E TRANSPARENTE - Paulo Henrique Martinez
Professor no Departamento de História da Universidade Estadual Paulista/Campus de Assis.

Matérias anteriores deste(a) colunista >