Colunista | Norton Emerson

Giro Marília -InvenciTITEbilidade – acalmando os ânimos

Começo esta coluna corrigindo (?) uma gafe que cometi (?) após sobre o final da invencibilidade do Corinthians.

Após a DERROTA e eliminação do Paulistão, o Timão se mantém invicto, pois, a partida em seu tempo regulamentar terminou empatada em 2 a 2.

Perdeu ou não perdeu? Perdeu o jogo, a vaga na final do campeonato mas continua invicto. Palmas. Vamos passar na Federação e pegar nosso troféu! Também podemos sair por aí zoando os palmeirenses, afinal, perdemos o jogo nos pênaltis e não no tempo normal.

Passa amanhã tio!

Tite é um grande treinador mas foi ele quem começou essa conversa de “ainda estamos invictos” em coletiva após o confronto do final de semana. Poderíamos chamar de InveciTITEbilidade.

A única coisa que venceu no Corinthians na semana passada- mais uma vez – foi o prazo de pagamento dos direitos de imagens de alguns jogadores.

Em atraso desde fevereiro, a quitação do débito vem sendo adiada desde então.

Na lista de jogadores que estão na “boca do caixa” esperando o din din estão Paolo Guerrero, Danilo, Ralf, Renato Augusto Jadson, Elias e Emerson Sheik. Todos estes jogadores aceitaram o novo adiamento.

Sem querer “cornetar já cornetando”, curiosamente, Sheik sentiu dores no joelho direito nesta segunda feira(20) e não treinou em campo, apenas realizou tratamento no Centro de Treinamento e agora é dúvida para o jogo contra o São Paulo, nesta quarta feira.

Se a dor de Sheik passou do bolso para o joelho ninguém sabe. O problema é que sem Emerson e Guerrero (Deus nos livre e guarde), teremos Vagner Love de novo em campo. Aff. Deus é mais!

O que todo torcedor corintiano espera, de verdade, é que a eliminação do Campeonato Paulista alivie o excesso de partidas e o desgaste dos jogadores para que o Timão volte a apresentar um futebol surpreendente e habilidoso para conquistar o bi campeonato na Libertadores.

Então, que venham los Bambis!


Giro Marília -Norton Emerson
Norton Emerson
Jornalista, radialista, tenho 25. Na verdade, tenho bem mais de 25 mas ainda estou dentro da margem de erro do Ibope

Matérias anteriores deste(a) colunista >