Colunista | Viviane Gonçalves

Giro Marília -Deixados para trás.

Você já percebeu quantas mulheres maravilhosas estão solteiras? Me inquiriu uma amiga do Facebook ao se deparar com uma publicação masculina em que se percebia, claramente, que algo na educação e na forma de ser homem está  muito problemática.

Emendei, claro, ninguém quer se sujar de bosta. É pesado, mas algo em nossas relações com os homens não está boa.

A impressão é que as mulheres pegaram uma nave espacial, se locomoveram para um planeta e os homens permaneceram  na Terra.

Seu destino não é Vênus, o planeta do amor, tampouco, estão loucas para chegar a Marte e encontrar um homem propenso a batalhas e desafios.

Foram a planetas onde o conhecimento e estudo imperou, a conta bancária é movimentada por elas mesmas, para alegria ou tristeza, mas  são por elas.

Planeta onde a autonomia e independência ganharam força. Onde não é imperativo casar, engravidar, ter filhos.

A felicidade não vem embrulhada num papel de presente que remete a uma propaganda de margarina.

Fato é que as distâncias vêm ganhando proporções maiores conforme nos relacionamos ou tentamos nos relacionar.

Os discursos, sejam através da linguagem ou não, não conseguem ser audíveis e inteligíveis  um para o outro.

Um emaranhado onde acordos não são fechados, corações são feridos e um apontar de dedos constante. Remetendo a uma infância mal resolvida que só um bom terapeuta poderá desanuviar tantos traumas, perspectivas, expectativas.

Seguimos, mulheres cada vez mais confiantes e seguras. Homens cada vez mais perdidos e buscando uma posição nesse mundo. Falta GPS, bússola, ou até têm, mas são preguiçosos para usá-las.

Não podemos presumir como o futuro será, ainda mais diante da situação que vivenciamos, mas é factual que algum meio de locomoção os portadores do cromossomo Y precisam tomar.

Seja um bonde, trem, barco, bicicleta. Porque chegará o momento em que nenhuma mulher esperará que um homem as alcance.

Deixará para trás aqueles que não possuem interesse nenhum em se locomover, sem movimentam como caramujos só para dizer que saíram do lugar.

Mulheres seguem desejosas de relações equânimes, mas não querem retroceder. Ou você pega logo esse táxi, uber, barquinho, bicicleta e encontra quem está a sua frente, ou será deixado para trás.

E esqueceram de mim só é engraçado quando o personagem principal é do Macaulay Culkin.

Você já é adulto e sabe onde fica o aeroporto, vá à França.


Giro Marília -Viviane Gonçalves
Viviane Gonçalves
Cientista social formada pela Unesp- Marília, uma curiosa nos estudos que se referem às mulheres, adora literatura, poesias e filmes. Acredita que Adélia Prado tinha razão, mulher é mesmo desdobrável.

Matérias anteriores deste(a) colunista >