Colunista | Viviane Gonçalves

Giro Marília -Doses diárias de meu amor.

Recebo uma chamada de vídeo no Whats de minha irmã.

-Oi

Do outro lado aparecem minha irmã e sobrinho de 6 anos que parece um macaquinho fazendo minha irmã de árvore.

-Tia Vi?

-Oi?

-O que você ta fazendo?

-Nada, meu amor.

-Vem aqui em casa, minha mãe pediu pizza.

-A tia já comeu, o tio também pediu pizza.

-Mas tia Vi, vem aqui em casa.

Eu, morta de cansaço e desdenhosa de cumprir as vontades de um homem, sucumbo e vou dar um beijo no meu príncipe encantado.

Outro dia, outra chamada de vídeo, do outro lado, irmã, Alice e Rafa.

Alice faz o bicudo costumeiro, mais conhecido como o beijinho doce que ela ta ensaiando para enviar.

Rafa, como sempre, serelepe, parece que é tomado constantemente por uma descarga de energia que desconheço em outros seres humanos.

Minha irmã com a mesma cara de bom humor sempre, com o sorriso mais bonito que conheço e com rosto de bolo feito e café posto à mesa. Alice diz, tia Viê, eu adoro como me chama, vem aqui.

Eu, na corujice de uma tia apaixonada, respondo com gritos de amor e exaltação de quem está vendo os seres mais bonitos do mundo, e são.

Carinhosamente apelidei de minha biju, digo que darei um jeito e que a verei.

Ela responde, ebaaaaa, e meu dia ganhou todo o brilho do mundo naquele momento. O sublime existe.

Chamada de vídeo.

Do outro lado minha irmã, alguns anos atrás queríamos nos matar. Sempre jogando sobre a outra o não cumprimento de uma tarefa doméstica deixada pela minha mãe.

Hoje, vejo do outro lado o rosto da minha melhor amiga.

-Gata?

-Oi?

-O que você ta fazendo?

-Nada, por quê?

-Não quer vim aqui almoçar com a gente? Mas lembra quando chegar do filme Nós, vamos assistir junto.

-Tá bom, vou sim, deixa eu só ajeitar as coisas em casa e já subo.

-Beleza, te espero.

Termina a chamada fazendo bicudos, caretas, mandando beijos, eu dou muita risada, risada recheada de amor.

Não ando ganhando muitos presentes, mas geralmente quando recebo uma chamada de vídeo ela vem embrulhada com pacotes de amor.

Doses diárias de meu amor.


Giro Marília -Viviane Gonçalves
Viviane Gonçalves
Cientista social formada pela Unesp- Marília, uma curiosa nos estudos que se referem às mulheres, adora literatura, poesias e filmes. Acredita que Adélia Prado tinha razão, mulher é mesmo desdobrável.

Matérias anteriores deste(a) colunista >