Colunista | Viviane Gonçalves

Giro Marília -Olhos castanhos.

“Tenho razão para sentir saudade de ti,
De nossa convivência em falas camaradas,
Simples apertar de mãos, nem isso, voz
Modulando sílabas conhecidas e banais
Que eram sempre certeza e segurança.”
Carlos Drummond de Andrade.

Queria, antes de tudo, não utilizar esse recurso para um até breve e que o que aqui escrevesse fossem as palavras mais lindas já escritas.

Mas não me deu a oportunidade de dizer tchau e não possuo a habilidade com a escrita que seja compatível com o amor que sinto.

Desde que você se foi conto os meses, lembro as datas de forma sofrida.

Desde que você se foi, o mês de setembro, que sempre trouxe alegria com a chegada da primavera e com a sua, parece antecipar um inverno rigoroso.

Desde aquele dia ouço a palavra desmantelo, o sotaque de Pernambuco e uma risada gostosa que ecoa para além da mente e sintoniza com as batidas do coração.

Não há clareamento dental que melhore o sorriso amarelo.

Não sou mais uma pessoa que consegue ser feliz por inteiro, sempre falta algo.

Não me permito a tristeza constante, você não me permitiria.

Espero ligações e mensagens que nunca virão, escrevo textos que nunca serão lidos.

Você levou um tanto de mim e deixou dois tantos de você.

Desde que você se foi, depois de 27 anos, não ouvirei seu parabéns que sempre foi o primeiro do dia.

O eu te amo e o se cuida sendo dito em todo o aniversário.

Posto fotos e consigo ouvir você  dizendo: tá linda.

Acontece algo novo ou diferente me pego pensando em ligar para falar.

Mas você se foi, não disse tchau, até breve, simplesmente fechou a porta e não olhou para trás.

Não houve explicações, uma carta, um áudio, uma mensagem.

Os sinais, que todos dizem ver antes, não os percebia. Será que estava tão voltada para mim mesma?

Mas desde que você se foi, corroborou a minha ideia de que saudade não é substantivo, é verbo, e o conjugo todo santo dia.

Desde que se foi tenho me preocupado com a sua cachorrinha, seus pais, seus irmãos.

Aprendi a acreditar religiosamente num pós vir só para ter esperança do encontro.

Acuso-te  também, afinal, prometeu que a velhice nos encontraria de igual forma e que quando a dor apertasse muito, viria correndo para os meus braços.

Ainda espero de braços abertos e sei que envelhecer ao teu lado já é impossível.

Mas que mania feia é essa da vida de utilizar frases de efeito  para comunicar a despedida de alguém?

Desde que você se foi, você ficou.

E sempre me teletransporta para uma adolescência com trilha sonora da Legião Urbana, aliás, ouvir Legião nunca fez tanto sentindo.

Caminhadas longas do colégio até em casa, matar aula para encontrar a outra em uma cidade diferente.

Viagem juntas, as risadas dentro de um ônibus em Alagoas, a um show de David Guetta em Recife.

Desde que você se foi Relicário da Cássia só possui uma frase, eu trocaria a eternidade por essa noite, Giz fez todo o sentido quando diz que é de ti que não me esquecerei.

Nunca imaginei minha vida sem você por perto. Nem trilhar esse caminho sem ouvir tuas dores e dizer as minhas.

Desde que você se foi, me fui.

A tempestade chegou e ela é da cor dos teus olhos castanhos.


Giro Marília -Viviane Gonçalves
Viviane Gonçalves
Cientista social formada pela Unesp-Marília, uma curiosa nos estudos que se referem às mulheres, adora literatura, filmes e poesias - que aprendeu a gostar com a mulher que via bordados no chão. Acredita que Adélia Prado tinha razão, mulher é mesmo desdobrável.

Matérias anteriores deste(a) colunista >