Colunista | Viviane Gonçalves

Giro Marília -Pergunte ao silêncio.

Um conselho, não silencie suas dores.

Seja a menorzinha ou aquela em que quer gritar. Não silencie.

Já sentiu muita angústia? Peito carregado de dor? Achou que fosse sufocar?

Provavelmente você anda engolindo palavras e não são quaisquer palavras. São aquelas que deixam o coração em desalinho e a boca seca.

Aquelas que são contadas ao travesseiro nas noites insones ou que escorrem junto com a água do chuveiro.

Por que seus olhos estão vermelhos? Ah, caiu shampoo. Por que estão tão inchados? Não dormi direito.

E vamos inventando desculpas para as palavras mortas ou agonizantes na garganta.

E elas agonizam aos gemidos, apodrecem e vão estragando o corpo todo.

A alma é a primeira que sente, a pele perde o viço, as olheiras se tornam aparentes, a vontade de levantar da cama é inexistente.

Palavras pesam, palavras não ditas, são como chumbo.

Como bigornas carregadas em cada uma das pernas.

E palavras não existem para serem elaboradas mentalmente e sofrer uma censura da boca.

Outro conselho, tenha coragem.

Coragem para assumir o que as palavras transmitem, o que podem desencadear e como podem transformar.

Para transmitir suas fraquezas, fragilidades, ambiguidades, defeitos e aquelas características que os seres humanos não costumam apreciar.

Coragem para assumir para uma, ou várias pessoas, quem você é, o que acredita, suas causas.

Coragem para desdizer o que pensava há um dia atrás,  pedir desculpas, manifestar que o outro magoou.

Coragem para não se repetir só porque as pessoas consideram que as outras são estanques.

Palavras nem sempre saem na roupagem que esperamos ou como o outro espera.

Você não é um silenciador, tal qual vem embutido em carros e armas.

Não existe para abafar ruídos, suprimir as vozes.

Não engula palavras, são indigestas, se acumulam na garganta e fazem morada no coração.

Não engula silêncios obrigatórios, choros sufocados e a vontade de liberdade.

Não silencie suas dores, elas te acordarão de madrugada, minguarão teu apetite.

Não subestime o silêncio,porque além de poderoso, ele possui suas próprias vozes.

E se você não fala, ele falará por você.

Pergunte ao travesseiro, ao chuveiro, a sua cama, ao seu corpo. Eles conhecem bem a linguagem das palavras não ditas.

Pergunte ao silêncio.


Giro Marília -Viviane Gonçalves
Viviane Gonçalves
Cientista social formada pela Unesp- Marília, uma curiosa nos estudos que se referem às mulheres, adora literatura, poesias e filmes. Acredita que Adélia Prado tinha razão, mulher é mesmo desdobrável.

Matérias anteriores deste(a) colunista >