source
Pesquisa sobre ciclo menstrual na pandemia foi feito pela UFLA
Pixabay
Pesquisa sobre ciclo menstrual na pandemia foi feito pela UFLA

Uma pesquisa feita pela Universidade Federal de Lavras (UFLA) mostrou como a pandemia influenciou no ciclo menstrual das mulheres brasileiras. Entre as entrevistadas, 77% relataram alterações no ciclo menstrual desde março do ano passada.

Para a análise dos sintomas, as mulheres foram divididas em dois grupos: quem já foi infectada pela covid-19, e quem não pegou a doença.

Entre as que não tiveram covid-19, 98% relataram as alterações no ciclo, aumento de estresse, ansiedade, nervosismo e insônia. A maioria esmagadora das mulheres que apresentaram reflexos na saúde mental (90%) apresentaram alterações no ciclo, o que pode indicar relação entre os fatores. Já no grupo das mulheres que teve a doença, 80% tiveram alterações na menstruação.

O efeito, segundo o professor Bruno Del Bianco, que coordena o estudo, foi maior em mulheres de 18 a 24 anos. "É possível que isso se deva ao fato de elas não terem ainda ingressado ou se estabilizado na carreira, nem consolidado outros aspectos da vida, o que traz maior insegurança e incertezas sobre o futuro e o que poderá acontecer após a pandemia", analisa.

Borges, que também coordena o Programa de Pós-Graduaçãoe m Ciências da Saúde, os dados são preocupantes, pois podem, em um cenário pós-pandemia, interferir na saúde reprodutiva das mulheres.

Leia Também

"Os efeitos da pandemia sobre a saúde mental, ciclo menstrual e libido sugerem um possível efeito negativo sobre a função reprodutiva da mulher, o que pode interferir na fertilidade, mesmo que em caráter momentâneo. Estudos demonstram que pandemias e epidemias anteriores causaram efeitos adversos sobre o organismo feminino por até dois anos após a crise sanitária", explica.

"A avaliação mais profunda dos nossos resultados depende de outras investigações, já que várias perguntas surgem a partir desses dados. Estaria havendo um real impacto sobre a fertilidade das mulheres neste momento? É preciso seguir com novos estudos".

Outro aspecto que chamou atenção do grupo de estudos foi o pouco conhecimento das entrevistadas sobre o próprio ciclo menstrual.

"Percebemos, pelas respostas, que muitas mulheres não conheciam suficientemente seu próprio ciclo. Esse também é um indicador que merece atenção de outras pesquisas e dos programas de saúde da mulher, já que a mulher precisa ter um conhecimento básico de seu corpo para identificar situações anormais que podem afetar sua saúde reprodutiva."

O estudo é o ponto de partida para investigações que podem subsidiar políticas públicas de saúde para mulheres.

Fonte: IG SAÚDE