Giro Marília -Doria assume e promete nova política; veja dez secretários

O governador eleito por São Paulo, João Doria (PSDB), e o vice-governador eleito, Rodrigo Garcia (DEM), tomaram posse hoje (1º) na Assembleia Legislativa. No discurso, Doria disse que fará uma gestão voltada para a população e com diálogo constante. Ele criticou duramente a “velha forma de fazer política” e prometeu um novo modelo.

De acordo com Doria, haverá uma nova forma de fazer política em São Paulo. “Temos que deixar de lado as conveniências pessoais e partidárias para proteger o interesse do povo”, disse ele. “Pelo povo lutarei e pelo povo governarei São Paulo. O recado das urnas é de que não há espaços para governos apenas de políticos ou de partidos. Agora devemos fazer o governo que a população deseja, com os políticos e com os governos.”


Doria disse que vai dialogar constantemente com os deputados eleitos e que vai priorizar as áreas de saúde, educação e segurança pública, sem deixar de lado outras áreas. Segundo ele, estará constantentemente em contato com a Assembleia Legislativa. “Não há área de escanteio”, falou, ao lembrar que a redução da pobreza também será outra prioridade. “O símbolo da esperança é o trabalho.”

O governador eleito acrescentou ainda que criará um programa de desestatização, valorizando PPPs, concessões e privatizações. Acrescentou que seu governo “vai ajudar o Brasil”, apoiando as iniciativas do governo do presidente Jair Bolsonaro, principalmente com relação às privatizações, ao fim da “saidinha” das prisões e à redução da maioridad e penal.

“A velha política das mordomias, do cabide de empregos, da troca de favores, do desperdício do dinheiro público, da inoperância e da falta de transparência não cabe nesse sentimento de mudança e não fará parte do nosso governo. Não esperem de mim alguém que vai ouvir pedidos, solicitações ou movimentos equivocados que não encontrarão ressonância para qualquer solicitação de natureza espúria. Quem estiver com intenção ruim, melhor nem procurar o governador de São Paulo porque será rechaçado imediatamente”, afirmou.

Doria disse ainda que montou uma “seleção” para “ajudar o povo de São Paulo”, formado por profissionais honestos e eficientes. “Vamos pensar São Paulo grande”, destacou. “Faremos governo forte, empreendedor, moderno, com liderança, com menos estado, menos estatais, menos privilégios, com mais segurança, mais emprego, mais saúde e mais educação, mais oportunidade e mais emprego. Esse será o lema de nosso governo em quatro anos de governo”, completou.

Veja dez dos futuros secretários

Governo – Rodrigo Garcia

O vice-governador eleito Rodrigo Garcia será o secretário de Governo de Doria. Garcia, já responsável pela transição, assumirá a articulação de governo.

Fazenda - Henrique Meirelles
O ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles e ex-candidato a presidente, vai comandar a economia no Estado. Foi presidente do Banco Central, durante a gestão do do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, entre 2003 e 2011 e e foi o único brasileiro ocupar o posto de presidente mundial do BankBoston, onde trabalhou por 28 anos.


Casa Civil - Gilberto Kassab
Ex-prefeito de São Paulo e ex- ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicação, Gilberto Kassab (PSD) será o chefe da Casa Civil durante sua gestão. Kassab (PSD) pediu licença, decisão tomada depois de ele se ornar investigado por uma operação da Polícia Federal.

Educação - Rossieli Soares
Atual ministro da pasta, Rossieli Soares da Silva, advogado e mestre em Gestão e Avaliação Educacional pela Universidade Federal de Juiz de Fora, será o secretário Estadual da Educação. Rossieli foi secretário da Educação do Amazonas e presidente do Conselho Estadual de Educação do Amazonas de agosto de 2012 até maio de 2016.

Cultura - Sérgio Sá Leitão
Sérgio Sá Leitão, 51, ministro da pasta, que assumiu em julho de 2017, é graduado em Jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ (1988). Integrou os Conselhos de Administração da RioFilme, da Fundação Planetário do Rio e da Fundação Orquestra Sinfônica Brasileira.

Saúde - José Henrique Germann
O médico José Henrique Germann é diretor Superintendente do Instituto de Consultoria e Gestão Albert Einstein. Ele também foi diretor superintendente do Hospital Albert Einstein entre os anos de 1995 e 2008 e diretor-adjunto do Hospital Sírio-Libanês entre 1989 a 1995.

Agricultura - Gustavo Junqueira
Gustavo Diniz Junqueira é formado em administração pela Faap, foi presidente da Sociedade Rural Brasileira (SRB) e vice-presidente do Conselho Empresarial da America Latina (CEAL) e do Instituto Pensar Agropecuária (IPA). É produtor rural em São Paulo, Minas Gerais e Pará, e sócio-diretor da Brasilpar.

Justiça - Dimas Mascaretti
O desembargador Dimas Mascaretti, de 63 anos, foi promotor e juiz e graduou-se em Direito pela Universidade de São Paulo (USP) em 1977. Ele será o secretário da Justiça no governo Doria.

Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação - Patrícia Ellen
Patricia Ellen, 40 anos, co-fundadora do Movimento Agora. Ela é formada em Administração de Empresas pela FEA-USP e preside a Optum no Brasil, empresa de tecnologia em saúde do grupo United Health. Será responsável pelo projeto do Parque Tecnológico de Marília e pelo relacionamento com a Famema e Unesp


Segurança Pública - General João Camilo Pires de Campos
Nasceu em Campinas, tem 64 anos. Ingressou na Escola Preparatória de Cadetes do Exército em 1970, foi instrutor da Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais e da Escola de Comando e Estado-Maior. Foi professor da Academia de Guerra do Força Terrestre e do Instituto Nacional de Guerra do Equador. Como coronel, comandou Grupo de Artilharia, em Brasília



Últimas Notícias