Giro Marília -G7 chega a acordo sobre apoio financeiro à Ucrânia com ativos russos

Os líderes do Grupo dos Sete (G7) chegaram a um acordo preliminar nesta quinta-feira (13) para fornecer US$ 50 bilhões em empréstimos para a Ucrânia, usando juros de ativos soberanos russos congelados depois que Moscou lançou a invasão de sua vizinha em 2022.

O acordo político foi a peça central do dia de abertura, no sul da Itália, da cúpula anual dos líderes do G7, que contou com a presença, pelo segundo ano consecutivo, do presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy. 

O presidente ucraniano disse que assinou um acordo de segurança de 10 anos com o Japão à margem da cúpula e que o Japão fornecerá à Ucrânia US$ 4,5 bilhões este ano. Zelenskiy também assinaria um novo acordo de segurança de longo prazo com o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.


Muitos dos líderes do G7 enfrentam dificuldades em seus países, mas estão determinados a fazer a diferença no cenário mundial, já que também buscam combater as ambições econômicas da China.

"Há muito trabalho a ser feito, mas tenho certeza de que nesses dois dias poderemos ter discussões que levarão a resultados concretos e mensuráveis", disse a primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, aos seus convidados do G7, quando as conversas começaram em um hotel resort de luxo na região de Puglia.

O plano do G7 para a Ucrânia baseia-se em um empréstimo de vários anos usando os lucros de cerca de US$ 300 bilhões de dólares de fundos russos confiscados.

Os detalhes técnicos serão finalizados nas próximas semanas, afirmou uma fonte diplomática do G7 à Reuters. A fonte, que pediu para não ser identificada, disse que o financiamento adicional chegaria até o final deste ano.

Uma autoridade sênior dos EUA declarou que os Estados Unidos concordaram em fornecer até US$ 50 bilhões de dólares, mas esse valor poderia diminuir significativamente à medida que outros países anunciassem sua participação.

O objetivo do acordo é garantir que ele possa ser executado por anos, independentemente de quem esteja no poder em cada Estado do G7 - um aceno para as preocupações de que o candidato presidencial republicano dos EUA, Donald Trump, poderia ser muito menos simpático a Kiev se derrotar Biden em novembro, de acordo com uma pessoa próxima às negociações.

Enquanto Meloni está voando alto depois de triunfar nas eleições europeias do fim de semana, os líderes das outras seis nações - Estados Unidos, Japão, França, Alemanha, Reino Unido e Canadá - enfrentam grandes problemas domésticos que correm o risco de minar sua autoridade.

Oriente Médio

Os líderes do G7 também expressaram suas preocupações com a situação na fronteira entre Israel e Líbano e endossaram os esforços dos EUA para garantir um cessar-fogo na Faixa de Gaza, de acordo com um rascunho de comunicado que deverá ser divulgado após a cúpula.

Além disso, eles pediram a Israel que se abstivesse de uma ofensiva em grande escala na cidade de Rafah, no sul de Gaza, "de acordo com suas obrigações segundo a lei internacional".

As nações ocidentais também foram unânimes na preocupação com o excesso de capacidade industrial da China, que, segundo elas, está distorcendo os mercados globais, e a determinação em ajudar os países africanos a desenvolverem suas economias, disseram os diplomatas.

Fonte: EBC Internacional


Últimas Notícias