Giro Marília -Petróleo sobe com morte de general do Irã e Bolsonaro diz que Brasil será afetado

O preço de barris de petróleo subiu mais de 4% com o aumento da tensão no Oriente Médio, após os Estados Unidos bombardearem um aeroporto em Bagdá, no Iraque. O ataque matou o general Qassem Soleimani, um dos principais chefes militares do Irã, nesta madrugada. A subida nos preços já foi registrada uma hora após a divulgação da morte de Soleimani por agências de notícias internacionais.

Na manhã de hoje, o presidente brasileiro Jair Bolsonaro disse a jornalistas que o ataque dos Estados Unidos "vai impactar" o preço dos combustíveis no Brasil. Na saída do Palácio da Alvorada, o presidente disse ainda que tentou falar sobre o assunto com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e com o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, mas nenhum deles atendeu ao telefone.

O ataque que matou o general iraniano foi autorizado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. O Iraque, local onde o general estava quando o veículo em que estava foi atingido por mísseis, é o segundo maior produtor da Opep (Organização dos Países Produtores de Petróleo). Segundo informações do portal G1, economistas afirmam que a reação do mercado reflete o medo de que conflitos mais amplos ocorram na região, o que poderia comprometer o fornecimento de petróleo.

Em setembro do ano passado, o preço do petróleo disparou depois que duas instalações petroleiras na Arábia Saudita sofreram ataques, que reduziram brevemente a produção. Donald Trump responsabilizou o Irã por esse ataque, bem como por outros a alguns petroleiros que circulavam na região.

O episódio acirra a tensão no Oriente Médio e a embaixada dos Estados Unidos em Bagdá está orientando que todos os cidadãos norte-americanos deixem o Iraque imediatamente. Diversas autoridades do Irã, entre elas o líder supremo, aiatolá Ali Khamenei, prometeram que haverá vingança. Em um comunicado na rede estatal de televisão, Khamenei solicitou três dias de luto nacional pela morte de Qassem Soleimani.


Últimas Notícias