Giro Marília -"Auxílio emergencial não pode ser objeto de chantagem", afirma Dilma

source
Ex-presidente Dilma Rousseff
Wilson Dias/Agência Brasil
Ex-presidente Dilma Rousseff



A ex-presidente  Dilma Rousseff criticou a fala do presidente Jair Bolsonaro de que governadores que adotarem medidas restritivas deverão pagar pelo auxílio emergencial da população . Em publicação em seu site neste sábado (27), Dilma também criticou a postura da gestão atual em relação à pandemia de Covid-19 .

"É uma indignidade. O auxílio emergencial não pode ser objeto de chantagem. É justamente quando o país está no auge da pandemia, com 251 mil mortes, colapso hospitalar e falta de vacinas, que os pobres devem receber uma renda mínima do Estado para sobreviver e alimentar suas famílias sem se expor à morte, à doença e ao colapso dos serviços de saúde", escreveu ela.

Na sexta-feira (26), Bolsonaro fez um discurso durante uma visita a Caucaia, no Ceará , criticando as medidas restritivas adotadas por diversos estados brasileiros. "A pandemia nos atrapalhou bastante, mas nós venceremos este mal, pode ter certeza. Agora, o que o povo mais pede, e eu tenho visto em especial no Ceará, é para trabalhar. Essa politicalha do 'fica em casa, a economia a gente vê depois' não deu certo e não vai dar certo. Não podemos dissociar a questão do vírus e do desemprego", afirmou o presidente.

Você viu?

"São dois problemas que devemos tratar de forma simultânea e com a mesma responsabilidade. E o povo assim o quer. O auxílio emergencial vem por mais alguns meses e, daqui para frente, o governador que fechar seu estado, o governador que destrói emprego, ele é quem deve bancar o auxílio emergencial. Não pode continuar fazendo política e jogar para o colo do Presidente da República essa responsabilidade", continuou.

Já Dilma afirma que "punir os governadores fere a cláusula pétrea da constituição federal, como o respeito ao princípio federativo e o dever do estado de prover saúde como direito de todos. É uma atitude genocida, pois acrescenta ao desprezo pelas medidas para barrar as doenças e as mortes a chantagem, com o objetivo de impedir que os governadores o façam".

A média móvel de mortes durante a pandemia de Covid-19 bateu recorde neste sábado , mas Bolsonaro segue se opondo às medidas restritivas adotadas por pelo menos 12 estados, além do Distrito Federal, para conter a disseminação do novo coronavírus (Sars-Cov-2).

"No Ceará, o presidente negacionista Bolsonaro se superou: conseguiu ser pior do que ele mesmo, pois causou aglomerações, desprezou o uso de máscara para enfrentar a pandemia, negou a gravidade da doença e chantageou os governadores, dizendo que se eles restringissem a circulação de pessoas e adotassem o necessário distanciamento social para evitar o contágio e as mortes deveriam assumir o pagamento do auxílio emergencial", opina Dilma, que pede para que o Congresso , ao votar a PEC Emergencial , elimine "a possibilidade de a União utilizar o auxílio emergencial para incentivar o negacionismo quanto à pandemia, chantageando governadores".


Últimas Notícias